Congresso de Jovens – 5° dia (manhã)

Chegando ao nosso último dia de Congresso o pastor Cícero Honório, da nossa congregação na cidade de São Bento (PB), iniciou a nossa manhã falando-nos sobre A Igreja local como uma agência de missões. Por meio desse tema ele nos mostrou que o lugar onde fomos plantados por Deus, a nossa igreja local, é a base sobre a qual Deus quer nos usar.

A partir de Mateus 9:36-38 conhecemos que o desafio para nossa geração é termos a mesma visão que Jesus teve, pois o clamor de Jesus permanece em nossos dias mesmo que sempre os trabalhadores tenham sido poucos. No entanto a igreja local ainda é uma referência para as iniciativas missionárias. Precisamos entender o valor dessa igreja local.

            O sistema tem afetado a igreja no seu ide e o nosso desafio tem sido permanecer no que Jesus disse. Acabamos por nos acostumar com os perdidos, convivendo com eles. Precisamos, no entanto, abrir o nosso coração a uma obediência inquestionável, porque se não fizermos isto nada vai acontecer.

“Porquanto não há diferença entre judeu e grego; porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam. Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas.”

Romanos 10:12-15

Não saia da igreja local sem antes lavar os pés! O ato de lavar os pés fala de submissão, é ter uma experiência com o Deus das missões, se deixar ser tratado. É saber deixar de lado suas prioridades dizendo sem reservas: eis-me aqui, envia-me. Lavar os pés fala, portanto, de direcionamento. É no lugar do permanecer que nossos pés serão limpos a fim de que os planos de Deus não sejam frustrados. Esse é o contexto da igreja local, isso acontece em Antioquia onde é o começo da missão.

É certo que os campos estão brancos, mas encontraremos resistências, barreiras, o agir do nosso inimigo que está tentando paralisar o avanço do ide, o avanço da colheita. O que depende de nós é nos lançarmos, porque a missão pertence ao Senhor, a YHWH. A missão é autorizada pelo Filho e capacitada pelo Espírito de Deus. Em cada geração Deus tem uma voz: somos a voz de nossa geração e não podemos desprezar falar.

“Ouvi, Senhor, a tua palavra, e temi; aviva, ó Senhor, a tua obra no meio dos anos, no meio dos anos faze-a conhecida (…).”

Habacuque 3:2a

O clamor do profeta está em linha como que Jesus falou rogando trabalhadores para sua seara. O clamor intenso que estava no coração de Habacuque tem que ser o nosso clamor, para que Ele faça de novo, para que aquilo que Ele falou seja lembrado. Não podemos esquecer o que Deus falou deixando que algum interesse camufle, pois o Senhor gravou o nosso comprometimento para nos provar.

Somos chamados a atingir não apenas a superfície visível das pessoas, das coisas, mas somos chamados a tratar com as realidades espirituais. A Igreja não é simplesmente uma instituição, a Igreja de Jesus é uma voz para essa geração. Aprouve a Deus nos separar.

Quando o senso de missão é retirado da Igreja, ela se torna morna. Somos agentes de uma missão onde Deus nos estabeleceu e não podemos permitir que o inimigo nos roube o senso destas coisas. Apresentemo-nos diante dEle não para termos uma posição, mas para sermos servos. Nesta geração o Senhor precisa de servos que não tem de que se envergonhar e que manejam bem a Palavra.

            A apóstola Raquel Vieira prosseguiu em nossa última manhã trazendo advertências quanto ao que é o sistema mundano com a segunda parte da palavra O mundo: o inimigo do verdadeiro crente.

“Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.”

1 João 2:15

            Tudo o que não é parte do nosso Deus é mundo e este sistema é inimigo de todo lavado e purificado no sangue do Cordeiro. O homem mundano ama o mundo, contamina-se com ele, é amigo dele.

“Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.”

Tiago 4:4

Não podemos nos contaminar com o mundo como fez Sansão, nós temos um modelo. Quando Sansão cresceu começou a amar o mundo, a se contaminar com ele, tudo porque Sansão esqueceu os padrões de sua casa e admirou os costumes filisteus. A Bíblia é clara quando afirma que o fim de todos aqueles que amam o mundo é o inferno.

Na cultura do céu tudo o que somos tem que ter o padrão do céu. Hoje precisamos decidir a que sistema servimos ou estamos inseridos. Mas como podemos ser contrários ao padrão do mundo se não temos o fundamento da Palavra que nos faz resistir a esse sistema maldito? Nosso padrão é Jesus Cristo de Nazaré, é nEle que temos de nos espelhar. A luz vem à medida de nossa comunhão com o Espírito Santo, por isso a nossa mente tem que ser constantemente renovada pela Palavra de Deus, para que permaneçamos vencendo.

O mundo é uma questão interior, é o que carregamos dentro de nós, o que pensamos ao seu respeito e se concordamos com suas práticas. Temos de ser radicais como José foi quando correu da mulher de Potifar. Chega de carnalidade! A santidade de YHWH tem que dominar as nossas vidas. Como Jesus, que foi tentado em tudo mas nunca pecou, nós precisamos vomitar o mundo, ser radicais contra esse sistema maligno.

É impossível amar a Deus e ao mundo ao mesmo tempo, pois não se pode servir a dois senhores. Todo o que é nascido de Deus vence o mundo por meio da comunhão com o Espírito Santo. Essa é a arma que vence o mundo: a nossa fé. Exercê-la é confiar em Deus e na sua Palavra e viver de conformidade com isso. A fé tem um fundamento e este é o nosso Deus único e verdadeiro YHWH e sua Palavra. A fé não tem nada a ver com sentimentos e emoções, a fé vem de Deus.

“Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem. Porque por ela os antigos alcançaram testemunho.”

Hebreus 11:1, 2

Não há motivos para descrer do projeto de YHWH se Ele cumpriu a primeira parte deste em Cristo. Se olharmos para o mundo veremos que a Bíblia tem razão, Deus cumpriu sua Palavra para com Israel. Essa fé é tomar a Palavra de Deus como verdadeira e viver de acordo com ela. A fé exige obediência, obediência é a prova que eu creio.

Vencer o mundo significa uma vitória contínua no meio da luta incessante. A luta não vai deixar de acontecer, as pressões de Satanás vão continuar existindo, mas o que vence o mundo é a nossa fé. Nossa luta ocorre porque a nossa cultura é a do céu. Se, portanto, não somos deste mundo, aguardamos novos céus e nova terra como fundamentados em YHWH e em sua Palavra.